Carregando...

Pesquisa

Para conhecer mais sobre a Coordenação de Pesquisa do UNIPTAN, clique aqui. Quer conhecer o perfil de Instagram da Coordenação de Pesquisa e Extensão (COPEX)? Clique aqui.

Aqui você encontrará nossas iniciações científicas (atuais e passadas), bem como nossos grupos oficiais de pesquisa.

Sofrimento psicossocial: enfrentamentos possíveis pela educação estética

Profa. Orientadora: Dra. Cristiane Silva
Aluno Envolvido: Hudson Davin Galli [setembro 2020-fevereiro 2021]; João Victor Neves Rosa [Janeiro a agosto 2020]

Execução: 2020-2021 – O contato com objetos estéticos na realidade pode possibilitar uma abertura à experiência e, nesse movimento, subsidiar a construção de estratégias de enfrentamento diante das condições que causam e mantém o sofrimento. Partindo desse entendimento, a presente pesquisa tem como objeto investigar a potência da educação estética como estratégia de enfrentamento do sofrimento psicossocial. A justificativa para a proposição desta pesquisa se sustenta na argumentação de que a educação estética, como campo de conhecimento e de intervenção psicossocial, pode iluminar as condições que atuam na manutenção do sofrimento, bem como pode mediar a construção de estratégias para o seu enfrentamento. Como problema de pesquisa, o que se questiona é a potência da educação estética como estratégia de enfrentamento do sofrimento psicossocial. Para responder a tal questionamento, propõe-se uma investigação metodologicamente circunscrita ao espectro da pesquisa-ação, propiciando aos participantes o contato com objetos estéticos bem como um espaço protagonista de fala acerca do sofrimento psicossocial. A hipótese central desta proposição é que, no contato com objetos estéticos – e aqui tomamos como estéticos os objetos que tocam os sentidos, que mobilizam a sensibilidade e a razão na contraposição com os objetos que mantém a paralisia diante do que causa sofrimento, dando ênfase, por questões metodológicas às obras cinematográficas – acionam-se, por meio da experiência e da fantasia, estratégias de enfrentamento do sofrimento psicossocial. Nesse sentido, espera-se com esta pesquisa propiciar um espaço de experiência e formação, um espaço de educação estética, no qual os participantes possam, ao entrar em contato com objetos estéticos, entrar em contato com as bases objetivas do sofrimento e, nesse movimento, buscar caminhos de resistência e de enfrentamento. Espera-se, ainda, contribuir para a construção de um arcabouço teórico-prático acerca do sofrimento psicossocial e das estratégias de enfrentamento possíveis, na mediação da educação estética.

Grupo de estudos em psicanálise e grupos

Prof. Orientador: Dr. Luís Vinícius do Nascimento
Aluno Envolvido: —–

Execução: 2019-2020 – Resumo a inserir

Grupo de estudos em Análise do comportamento

Profa. Orientadora: Dra. Naiene Pimentel
Alunos Envolvidos: Diego Hudson Galli Fernanda Mylena de Carvalho Fernanda Vargas de Souza Laura Resende Rodrigues Maria Eunice Pereira Tatiane Divino da Silva

Execução: 2019-2020 – O Grupo de Estudos e Pesquisas em Análise do Comportamento foi criado em março de 2019 e contou com a participação de seis alunos de graduação e uma professora do curso de Psicologia do UNIPTAN. O grupo realizou, até dezembro de 2019, encontros quinzenais para discussão de textos sobre Análise do Comportamento e Behaviorismo Radical com o objetivo inicial de esclarecer a lógica do pensamento skinneriano, particularmente no que diz respeito ao seu modelo explicativo, a seleção por consequências. Nesse contexto, foram discutidos textos que tratam de temas clássicos da Psicologia sob a ótica da Análise do Comportamento. Como resultados dos estudos desenvolvidos pelo grupo, apontam-se o aprimoramento do vocabulário técnico dos alunos e uma melhor compreensão da Análise do Comportamento, esclarecendo suas diferenças em relação a outras abordagens psicológicas. Em momento posterior, pretende-se desenvolver pesquisas teórico-conceituais e empíricas, buscando-se consolidar o Grupo de Estudos e Pesquisas em Análise do Comportamento com um espaço de formação complementar para os alunos envolvidos e de produção de conhecimento relevante para a área.

Viktor Frankl e a psicopatologia

Prof. Orientador: Dr. José Maurício de Carvalho
Aluno Envolvido: Taíssa Chaves e Samara Tortieri

Execução: 2019-2020 – Resumo a inserir

A automutilação na vida adulta: resquícios da adolescência?

Profa. Orientadora: Esp. Marina Silva Simões
Alunas Envolvidas: Maria Julia Teixeira Andrade

Execução: 2019-2020 – A construir.

As práticas em Psicologia da Educação no Instituto de Psicologia e Pedagogia da Faculdade Dom Bosco de São João del-Rei: algumas reflexões a partir de uma pesquisa histórica

Prof. Orientador: Me. Rodolfo Luís Leite Batista
Alunas Envolvidas: Taíssa Cristina Chaves

Execução: 2019-2020 – A construir.

Realizou-se uma pesquisa documental com o objetivo de realizar o levantamento e o resgate histórico das práticas em psicologia da educação, no Instituto de Psicologia e Pedagogia da Faculdade Dom Bosco de Filosofia, Ciências e Letras entre 1953 e 1959. Esse instituto e seu laboratório experimental foram criados pelos padres salesianos e montados com aparelhos, livros e material de testagem psicológica, importados de Turim, na Itália, e inaugurado em meados da década de 1950. Ele serviu como subsídio para as práticas educacionais empreendidas por esses religiosos em São João del-Rei, no Campo da Vertentes. A literatura consultada argumenta pelo caráter pioneiro desse instituto na condução de práticas psicológicas na cidade mineira, justificando a realização deste estudo. Os documentos investigados foram recolhidos no Centro de Documentação e Pesquisa em História da Psicologia, na Biblioteca Municipal Baptista Caetano de Almeida e no Centro Salesiano de Documentação e Pesquisa e em bases digitais. O corpus construído foi brevemente analisado em perspectivas histórica e discursiva. Houve dificuldades na realização do projeto, em razão da modificação da estudante-voluntária de pesquisa, sendo que o trabalho de formação para a pesquisa teve que ser repetido com a nova participando, tornando o tempo para realização do estudo bastante exíguo. Mesmo assim, considera-se que o trabalho tenha contribuído para a formação da estudante e estimulado sua participação em práticas de pesquisa e sua contribuição para formação do psicólogo. Esta pesquisa contribui para a historiografia da psicologia em suas relações com a educação a partir do enfoque em um instituto de psicologia do interior mineiro, compreendendo as articulações feitas por intelectuais católicos em favor de uma psicologia da educação. 

Saúde é arte: traçando caminhos para o controle social da saúde

Profa. Orientadora: Ma. Talyta Resende de Oliveira
Alunas Envolvidas: Gabriela Silva Nascimento e Taiana Toussaint de Paula Campos.

Execução: 2019-2020 – A Psicologia Social da Saúde é um vasto campo de saberes e práticas psicológicas que visam romper com a dicotomia indivíduo-sociedade, trazendo questões inerentes ao processo de saúde-doença, assim como de formulação de políticas de saúde para o seio da prática psicológica. Na presente pesquisa, utilizou-se do arcabouço deste campo para problematizar a participação da comunidade na saúde, também chamada de controle social. A saúde, direito humano fundamental garantido na Constituição de 1988, é intrinsecamente relacionada à participação ativa da população na construção de suas políticas.  Considerando o grande esvaziamento dos principais espaços instituídos de participação, a saber, os conselhos e conferências de saúde, faz-se mister a pesquisa de novas formas de envolvimento ativo da comunidade no Sistema Único de Saúde. De forma prática, o objetivo central do trabalho foi investigar teoricamente a viabilidade da utilização de oficinas criativas com crianças como ferramenta de Educação em Saúde. A temática central deste processo educativo envolve a tentativa de resolução do problema antes assinalado: o esvaziamento dos espaços participativos do Sistema Único de Saúde. Desta forma, buscou-se compreender como o trabalho de conscientização destas crianças acerca das questões de saúde da população, desde aspectos relacionados ao processo de saúde-doença, até a participação ativa podem ser utilizados como uma ferramenta efetiva de participação social. Este trabalho foi uma pesquisa teórica cujo campo estudado foi um projeto de extensão realizado pela instituição.

Grupo de estudos em Saúde Coletiva

Profa. Orientadora: Ma. Talyta Oliveira
Alunos Envolvidos: Patrícia Carneiro; alunos do curso de odontologia e do curso de medicina do UNIPTAN.

Execução: 2018-2019 – O grupo reuniu-se quinzenalmente durante o ano de 2018, e tinha como objetivo discutir temáticas em saúde coletiva. Alguns dos temas discutidos foram: história das políticas públicas no Brasil, Reforma Sanitária Brasileira, Desafios atuais em políticas públicas, Saúde mental; Políticas públicas e neoliberalismo.


Ei, Aluno(a)! Quer desenvolver uma pesquisa conosco?